terça-feira, 28 de março de 2017

Relatos

          Relato 6 - Bom, como eu falei antes, eu conheci um cara, até ai tudo bem. Bom de conversar, bom amigo, bom de pegada, bom de cama. Mas a trouxa aqui se apegou a ele, uma coisa que era pra ser só uma amizade colorida por assim de dizer, eu meio que to pensando em mais além, porque por mais que eu seja fria, grossa e chata, eu gosto de ter alguém cuidando de mim, sou confusa, eu sei.
                           Mas enfim, eu me apeguei a ele e deu merda, pelo menos na minha mente. Hoje ele simplesmente tirou o dia pra falar dos pegas dele e das ex dele, meio nada haver, mas eu fiquei de boa e tal, mas ele percebeu que eu tava meio assim, fiquei calada a maior parte do tempo, então ele foi lá e fez um puta desenho pra mim, ainda escreveu no verso umas palavras pra eu ficar de boa, meio que ele foi filha da puta e fofo ao mesmo tempo. Eu não entendo isso.
                          Eu queria muito não me apegar fácil a ele, ou a qualquer outro pois é muito chato, porque eu sempre acado me fodendo, não tem uma única vez que eu saia salva nessas histórias. O que mais fode tudo é que ele não quer nada alem dessa amizade colorida, ele deixou bem claro o fato de ser só meu amigo e eu fiquei lá, calda com uma cara de cu pra ele. Sinceramente espero que isso mude, porque ta foda lidar com meus sentimentos, eles tão bem confusos.



P.S O desenho que ele fez
 


xoxo

domingo, 26 de março de 2017

Querido Diário, eu acho?

          Então, meio que indo para o terceiro mês de faculdade, muita coisa aconteceu. Não sei nem por onde começar direito. Meio que fiz umas amizades legais, conheci muita gente louca e meio que encontrei alguém.
           Ele tem uma calma que me cativa, tem um abraço que me acolhe, tem uma boca que me leva a loucura, dedos que me levam ao paraíso. Ele é como Dante e eu Beatriz, no momento eu desceria ao inferno só para ter ele por perto, para poder sentir seus lábios em minha pele, seu toque carinhoso e ao mesmo tempo bruto. Ele diz que somos artístistas, mas ele é que é, eu viro uma tela branca perto dele, onde ele desenha e colori do modo que bem entende. Me sinto viva perto dele.
            Queria ter coragem pra mostrar isso a ele, mas por enquanto fica sendo nosso segredo. Não digo que eu esteja apaixonada, digo que estou vivendo dia a pós dia, do meu jeito. Eu posso dizer que estou em paz no momento e essa sensação é maravilhosa. 


xoxo

sábado, 11 de março de 2017

Querido Diário, eu acho?

             Eu sei que dei uma puta sumida, mas tenho meus motivos.

         Motivo n°1: Eu consegui passar numa puta faculdade daqui e fiquei bem empolgada com isso, passava noites em claro, imaginando como seria, se eu ia conseguir me dar bem com todo mundo. Que no caso ta dando certo, to seguindo o fluxo da vida.

        Motivo n°2: Eu tive uma briga muito feia com um grupo de amigos meus, que porra eram como minha família. A briga começou em janeiro, veio ter um fim (trágico por sinal) esse mês de março. Mano, eu fiquei tão mal de um jeito, que passei noites chorando, muita gente magoou muita gente, foram ditas palavras que feriam muito. Falaram pro meu amigo, no dia do aniversario dele, que não desejavam nem saúde pro cara, ele ta no hospital e umas pessoas falando isso. Tudo bem que no passado ele fez merda, mas é como eu sempre digo, todo mudam, ele mudou, como várias outras pessoas daquele grupo. Meio que teve uma divisão, que ao meu ver já existia, apenas ficou evidente em janeiro. E mano jogaram a culpa dessa divisão na única pessoa que tava querendo da um jeito nas merdas que todos faziam. Mas pra acabar, a divisão continua, pois um lado admitiu a culpa, mas o outro não, meio que eles não querem admitir que tem culpa tbm, pois todos tivemos.

        Motivo n°3: Meu irmão sofreu um acidente, na verdade ele foi assaltado e levou três tiros, isso foi no final de janeiro pra fevereiro. Agora ele ta bem, ta em casa já, mas como uma das balas foi perto da medula, ele perdeu os movimentos do pé, não 100%, com fisioterapia ele pode voltar a ficar em pé, mas com ajuda de moletas.

        Motivo n°4: Terminei meu namoro.

Então meu caros leitores, é isso. Um resumo da minha vida de janeiro pra cá.
 xoxo

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Relatos

          Relato 5 - Bom caros leitores, se vocês pensaram que só porquê estou namorando os relatos sujos iriam acabar, venho até vocês com mais um. Na tarde de ontem(17), fui ate a república na qual meu namorado mora. Os pais dele são tipo os meus, sempre viajando a trabalho. Enfim, ele divide o quarto com um amigo dele, no quarto é bem dividido, banheiro área de estudo, essas coisas, o amigo dele tava na área de estudo, onde não tem visão do local que fica a cama.

                            Fui até lá para poder conversar com o meu namorado, pois fazia uns dias que a gente não se via direito, mas vocês me conhecem, eu nunca perco uma oportunidade, uma coisa levou a outra e acabamos transando, mas tipo, o amigo dele tava no comodo ao lado! Prestes a encontrar a gente ali naquela situação. Minha adrenalina tava a mil, já tinha feito coisas ao ar livre e tal, mas nunca com alguém no mesmo local, foi realmente uma ótima experiência.

                            Uma coisa que me surpreende muito é o fato de que eu sou a primeira experiência sexual dele, mas simplesmente não parece, pois ele faz certas coisas que me deixam admirada. Ele foi o segundo até agora a me fazer gozar apenas me masturbando, enquanto os outros caras que tive só me machucavam quando iam tentar. Todos os dias ele me encanta com cada novidade que ele me apresenta, sim no sentindo sexual da coisa.



                                                                                                                                                          xoxo

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Querido Diário, eu acho?

        Bom, faz muito tempo que não escrevo por aqui. Muita coisa aconteceu nesses meses, posso dizer que mudei em vários aspectos, mas em outros a tendência foi só piorar. Eu finalmente aceitei o fato de que tenho uma dupla personalidade, que quando cometo as minhas loucuras é meu outro eu, se é que vocês estão conseguindo me entender, Vem sendo bem complicado lidar com isso.

       Vamos lá as novidades, enfim depois do meu relacionamento desastroso com o Travis, enfim encontrei alguém que sabe lidar com todas as minhas merdas. Ele é um pouco mais novo que eu, uns dois anos pra ser mais exata, mas o que me fez ficar apaixonada por ele foi a maturidades e a forma que ele tem de resolver os problemas. O fator maior é ele não se assustou com as minhas coisas, ele vem sendo bem compreensivo com as minhas explosões e variações de humor constante.

        Acho que posso dizer que o amo. Eu tento não pensar muito sobre o futuro com ele, não quero criar  muitas expectativas, venho sendo bem pé no chão quando o assunto é ele, mas depois de três longos anos, eu enfim posso dizer que estou feliz com uma pessoa na minha vida, sou muito grata a ele. Pra ele, sou a única mulher nesse mundo que ele tem interesse, e eu admito que senti falta disso.



                                                                                                                                                 xoxo

terça-feira, 26 de julho de 2016

Querido Diário, eu acho

       Sabe, a vida as vezes é uma grande piada. Uma hora está tudo bem, você tá feliz, tem sua família ao seu lado, melhores amigos de infância, tudo perfeito, mas de uma hora pra outra a vida te tira todas as coisas boas que aconteceram com você. É hilario como em poucos segundos tudo de bom é tirado de você sem nenhuma explicação.

       No dia 14 de Julho de 2016, meu melhor amigo, aquele que foi criando junto a mim, o qual eu confidenciava meus segredos e ele os dele, se matou, sem nos deixar nenhum bilhete ou carta explicando. Muitos dizem que foi por culpa da namorada dele, bom ela tem uma parcela de culpa.

     Mas a questão é, como alguém que nunca mostrou nenhum indicio suicida, não era depressivo, quando tava chateado sempre ligava pra mim ou pra outros amigos do nosso ciclo, oque eu quero dizer é, como alguém feliz, que tinha tudo pode simplesmente se matar? Nessa uma semana e meia veio me perguntando isso, querendo saber o que realmente aconteceu.

     Eu sabia a senha do celular dele, então vi a conversa dele com a ''namorada'' e cheguei a conclusão de que não podemos acreditar e nos deixar levar pelo amor, pois uma hora ou outra iremos fazer loucuras, pequenas ou grandes que foi o caso do meu amigo, Felipe. As pessoas dizem que quem não acredita no amor, é mal amado, eu discordo, a vida vem me dando vários exemplos de que o amor só faz acabar com as nossas vidas.

   Estou tentando seguir com a minha vida, sabe, um dia após o outro, lutando contra a tristeza e a saudade que em cada cinco minutos me vem lembranças dele. Nós fazíamos aniversário no mesmo dia, mas ele era um ano mais novo, e sinceramente, não tenho mais vontade de comemorar essa data que era tão especial pra mim, que desde os meus três anos venho comemorando ao lado dele.

  Então caros leitores, aqui lhes vai um conselho, fuja para o lugar mais longe, corra, não se deixe levar pelo amor, você sempre irá cometer erros que nem sempre serão prejudiciais apenas pra vocês, mas para aqueles que realmente se importam. Porque o que Felipe fez pode até ter sido um ato de alivio para sua dor, mas também foi um ato de dor, solidão e perda para aqueles que realmente o amavam.

  P.S. Desculpem minha demora para lhes escrever, mas eu realmente estou muito mal.
  P.S.2. Perdão pelo assunto pesado, espero que lhes sirva de aprendizado.

                                                                                                                                                  xoxo



terça-feira, 5 de julho de 2016

Relatos

           Relato 4- A mais ou menos dois anos atrás quando ainda namorava, eu sai pra correr no condomínio que meu ex morava, era um habito comum. Mas parece que que nasci virada pra lua, pois sempre algo de ruim acontece quando as coisas estão bem. Eu tinha acabado de passar por uma crise bem feia com o Travis, de chegar ao ponto de passar meses sem nos falar e nos ignorar sempre que nos víamos por causa de seu ciúme, mas conversamos e ele pediu desculpas.
                         
                        Estávamos bem, ele tinha saído pra encontrar o pai dele pra resolverem algo sobre a empresa da família dele quando eu decidi que iria correr, durante o percurso encontrei com um amigo dele e começamos a conversar até eu chegar na casa do Travis, quando eu tava me despedindo dele, o mesmo me beijou muito perto da boca. Foi tipo uma surpresa, não esperava por aquilo, mas foi mesmo na hora que meu ex chegou e viu aquela cena.

                      Travis partiu pra cima do garoto e quebrou o seu nariz, em seguida se virou pra mim, nunca tinha o visto com tanta fúria antes, eu realmente fiquei com medo e com razão. Ele me pegou pelo braço com tanta força que nunca tinha usado comigo, nem na hora do sexo. Me levou para o seu quarto e tirou minha roupa, me jogou na cama e amarrou minhas mãos juntas umas nas outras e começou a me bater, tipo nunca que ele tinha levantado a mão pra cima de mim.

                    Eu nunca apanhei tanto como naquele dia, me bateu com as mãos, com um cinto, apanhei tanto que comecei a sangrar, eu sofri tanto, sangrei horrores que acabei apagando. Acordei no hospital um dia depois, eu simplesmente tava cheia de hematomas e cortes feios, assim que abri os olhos o vi sentado ao lado da minha cama, com os olhos inchados e barba por fazer. Nunca pensei que o cara que eu amava podia me machucar tanto como ele fez.

                   Passei mais um dia no hospital, com ele ao meu lado. Eu já morava com ele na época, os dias que passei ali não falei uma única vez com ele, o mesmo tentou diversas vezes, mas eu tava em estado de choque ainda, sem acreditar que ele tinha realmente feito aquilo. 

                   Acho que foi a única vez que eu tinha terminado o namoro, passamos um tempo separados, eu morando na casa de uma amiga, com ele tentando a todo custo me reconquistar. Eu o amava tanto que depois de muita insistência acabei voltando, eu sei fui burra, como voltar com o cara que te espancava? Mas naquela época eu era imatura demais, pensava que só existia ele no mundo pra mim, mesmo voltando com ele não foi a mesma coisa, eu era meio distante dele, o mesmo tentava de tudo pra voltar o normal, aos poucos eu ia o perdoando.

                Eu fui burra em o aceitar de volta, mas acho que isso me fez crescer mentalmente, minha cabeça é outra nos dias de hoje. Se uma situação acontecesse agora, minhas atitudes seriam bem diferentes. Acho que se o Travis tentasse voltar agora, minha resposta seria não, mesmo ele tendo mudado, ainda existem magoas e cicatrizes abertas dentro de mim.


xoxo